LOROTA BOA


21/04/2010


POIS É

 

É como disse antes, o LOROTA BOA virou SEARA LÚDICA.

Clique no novo nome e pegue a trilha. É lá que ainda teimo em, de vez em quando, desopilar com esse papo de que bato papo com coisas, plantas e bichos.

Ah. Torno a lembrar que INVENTO E ATÉ AUMENTO, MAS NAO ESCONDO NADA.

Até!

Escrito por Rezende às 13h53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

19/01/2010


NOVO ENDEREÇO

Editar aqui continua complicaaaado. Mudei pro Blogger, do Google. Lá é mais simples e ágil, além de grátis.

 

O "gesto feio" da foto é para o pessoal do UOL, para que modernize e simplifique o sistema. Há exemplos de sobra.

 

 

Ah... o novo endereço...


http://searaludica.blogspot.com/


Até!

Escrito por Rezende às 00h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/10/2009


Vou e volto. E nestes intervalos, muitas vezes loooongos, o blog fica sem novidade.


Ora! Dêem desconto. Sou um internauta relapso e a vida é um eterno balanço. Encaro-a como um menino, mas ainda estou a me acostumar.

 

 

 

 

Portanto, continua valendo aquela dica: vasculhem o HISTÓRICO de lorotas anteriores, no canto superior direito da página.

 

Invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

 

FOTO - Criança XERENTE brincando em balanço / Apoena Rezende

Escrito por Rezende às 12h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

20/02/2009


Aqui, geralmente, fotos inspiram pequenas crônicas.

Na verdade, lorotas* que visam riso e reflexão.

 

 

 

Sinta-se à vontade para vasculhar o blog.

Inspire-se no macaquinho entretido, nada curioso.

 

Algumas publicações estão nesta página.

Outras podem ser acessadas a partir do HISTÓRICO ao lado.

 

Ah! Um lembrete necessário:

converso com coisas, plantas e bichos;

invento e até aumento, mas não escondo nada.

---------

*LOROTA - termo popular brasileiro; o mesmo que mentira, conversa fiada, coisa inventada...

Escrito por Rezende às 22h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

17/02/2009


BRINCANDO DE "PEGA"

Não fiz o flagra. Mas nem por isso deixo de contar o caso. Pela expressão da bicharada também traduzo o conteúdo das "falas". Observem a imagem que achei no UOL BICHOS.

 

 

Neste flagra um dos macaquinhos disse "te peguei!!!", mesmo não tendo segurado o outro. O ataque, claro, foi antecedido de muita provocação do tipo "nem me pega... nem me pega..."

 

É bom que saibam. Bricar de "pega" também é muito comum entre filhotes destes nossos parentes. E a brincadeira se dá do mesmo modo moleque, leve, arisco e solto. Já presenciei várias vezes.

 

Um detalhe. Assim como entre crianças, a brincadeira quase sempre termina em discussão; com cada macaco puxando para seu galho, é claro. E as contendas são carregadas de expressões como "valeu" e "não valeu", pois não há regra geral estabelecida, o que motiva desentendimentos.

 

É aquela velha polêmica: o que vale afinal é "tocar" ou "segurar" o adversário?

 

Ah. Avacalhem, mas dêem desconto.

Já disse que invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

Escrito por Rezende às 21h53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

27/10/2008


Como diria o poeta itabirano, havia um filhote de camaleão no meio do caminho.

 

 

Arisco, se mandou pruns galhos. Posou, pancoso* e puxou papo. Fiz as fotos, claro.

 

 

Mas o teor da prosa com o filhote não posso revelar. Não tenho ainda autorização dos pais dele. Um dia eu volto para contar.

Invento e até aumento, mas não escondo nada.


Até!

 

*PANCOSO - termo popular brasileiro; o mesmo que estiloso, cheio de ginga, elegante, jeitoso...

Escrito por Rezende às 19h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

19/10/2008


ENQUANTO ISSO, EM TAQUARUÇU...

 

Em Taquaruçu, região serrana de Palmas, há muita trilha, cachoeira e um povo zen que curte e cuida do que tem.

 

Mas há quem explore a natureza de forma ilegal, sobretudo extraindo lenha para cerâmicas, pizzarias e panificadoras. Os órgãos de defesa ambiental estão fazendo o que podem, claro.

 

Nos últimos dias, com as queimadas, foi aquele sufoco. O céu estava pura fumaça.

 

Ah. Não esqueçam: eu invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!



...

Foto: reprodução de charge do Érico, um amigo cartunista de São Luís

Escrito por Rezende às 20h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

11/10/2008


MINÚSCULOS ET'S NA MATA ATLÂNTICA?!

 

Bem vejo que coisas, plantas e bichos continuam se mostrando "falantes" a atentos retratistas. A aparição flagrada por DU ZUPPANI, do www.fotonatural.com.br, tem ou não tem toda panca de invenção alienígena? Minúsculos ET's estariam explorando o mundo em miniatura da Mata Atlântica? 

 

Sei não, gente. Tá parecendo uma navezinha o ser apoiado sobre a folha com seus finíssimos pés "gigantes". Pelo tamanho dá "cápsula" calcula-se o porte dos tripulantes.

 

E ainda dizem que eu é que invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até! 

 

 

Escrito por Rezende às 00h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/10/2008


RECADO DE CIGARRA ACANHADA

 

Fotografei a “casquinha” a pedido da cigarra que dela saiu. Acanhada, não quis aparecer. Mas deu recado:

 

- A vida segue com seus mistérios de metamorfoses e ciclos vitais. Aprendam cada vez mais com isso.

 

Mostro a foto pra não ficar de mentiroso. Invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

 

---

 

As cigarras são insetos que passam a maior parte da vida sob a terra. Suas formas jovens são chamadas de ninfas e assim que nascem - eclodindo de ovos postos em galhos de árvores - caem no solo e entram na terra.
No subsolo, buscam raízes, nas quais se fixam para sugar a seiva. Depois de passar cerca de um ano nestas condições, amadurecem e deixam a terra para concluir seu ciclo vital.
Então, fixam-se em troncos de árvores, onde posteriormente deixam seu exoesqueleto - camada que envolve seu corpo - para entrar na fase adulta, que dura apenas alguns dias.
Quando se reproduzem, os machos atraem as fêmeas emitindo um som característico por meio de um órgão localizado no abdômen. Depois da cópula e da postura, morrem, deixando para trás os ovos que darão origem a novas ninfas.
Você sabia que os ouvidos das cigarras ficam no estômago?

Fonte: Guia dos Curiosos
Foto: exoesqueleto de cigarra no Parque Cesamar / Canon A95

Escrito por Rezende às 08h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

02/09/2008


POIS É...

 

O "anjo" da foto sou eu, num arremedo de auto-retrato. Mas o que quero dizer é outro papo.

 

Ando num aperreio danado. Enquanto não folgo para desopilar atualizando o blog, sugiro que vasculhem o que já foi publicado. Há uma sequência de lorotas no HISTÓRICO no canto superior direito da página. Uma dica... VIDA PASSARINHA.

 

Ah. Não esqueçam disso: INVENTO E ATÉ AUMENTO, MAS NÃO ESCONDO NADA.

 

Até!

Escrito por Rezende às 20h18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

08/07/2008


Como corre mundo o papo de que bato papo com coisas, plantas e bichos, a bicharada agora faz questão de se mostrar. É o caso deste... (êpa!)

 

 

Falo deste "..." mesmo. Posou improvisando quadrinha besta mas esclarecedora:

 

sei que pareço roedor caseiro

mas nem pense que sou um rato

só me confunde com o tal arteiro

quem nunca viu um preá do mato

 

Pois é. Muita coisa não é o que parece. Por isso é que sempre deixo claro: invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

 

---

 

Para ler a "prosa besta" TRÊS POTES, publicada na coluna semanal do jornal O ESTADO, clique AQUI.

 

Escrito por Rezende às 07h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

08/06/2008


"BUUUU!!!"

De perto, sem óculos, vejo embaçado. Mas mirando em zoom com minha surrada máquina fotográfica tenho feito algus flagras, quase ao acaso. Talvez porque coisas, plantas e bichos sempre se mostram, de repente.

 

 

 

A aranha da foto estava entre folhas da laranjeira. Minúscula, para ser percebida, soltou o verbo:

 

- BUUUUU!!!

 

Se levei um susto? Claro que não. Mas fingi ter levado, esbugalhando bem os olhos e fazendo um "oooohhh" quase espontâneo. Vocês sabem como é. Não sou de amarrar frustração animal nenhuma, mesmo já tendo deixado claro... invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

Escrito por Rezende às 19h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

21/05/2008


VIU NO JORNAL?!

A bicharada não lê jornal, exceto Dona Coruja. Sábia como é, espetou fundo meus olhos.

 

 

Prendeu-me como um hipnotizador exímio e falou verdades sobre a vida em sociedade, malhando sem piedade o Mercado, imbecil desalmado que tudo pode (principalmente fazer estragos) com a sua gana insaciável e o seu discurso furado sobre progresso e desenvevolvimento. Depois de muita pregação me indicou esta charge de Angeli (Folha de S.Paulo, 21/05/2008). Mas com pedido de publicação no blog.

 

 

Tá publicado. E como ela também "fala".

 

Ah. Nem vou repetir o já manjado mote: eu invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

Escrito por Rezende às 13h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

11/05/2008


QUE SUSTO!

Voltei àquela moita onde flagrei o casal de borboletas no maior agarramento da lorota anterior. Devagarinho pra ver se achava outra surpresa. Mas vi foi uma negra criatura entre a folhagem me encarando. Todo sem graça, tentei esconder o susto.

 

 

Só desencanei depois que a "assombração" (esta mariposa negrinha da foto) revelou que o casal não gostou nada de ter aparecido no blog daquele jeito. Segundo ela, desde o flagra, os dois sumiram do pedaço.

 

Agora me pego pensando em como encontrar os dois para pedir desculpas pelo que podem considerar dano. Tomara que entendam que aqui eu invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

Escrito por Rezende às 12h46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/05/2008


Declarações de amor ecoavam de uma moita perto. Curioso, pus-me a ouvir a cantada. Logo percebi que o "bicho pegou", quando um metido a poeta improvisou em versos:

 

ó musinha leve e alada

misto de tesão e ternura

vibra com a alma entranhada

explode em gozo, criatura

 

Como o que ouvi depois disso foi uma sequência louca de gemidos e declarações de gozo, não me contive: fui curiar, claro.

 

 

Era o casal de borboletas. Fiz a foto, mesmo sem permissão, só para mostrar a vocês como prova. Já disse que invento e até aumento, mas não escondo nada.

 

Até!

Escrito por Rezende às 10h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Histórico